Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Rocha Laboratório Total

  • Entre em contato:
  • (48) 3433.5835
  • (48) 99988.3976

Resultados de Exames

Notícias

Imagem da Notícia

Conselho consultivo do FDA recomenda aprovação da vacina quadrivalente contra o HPV para uso em meninos e homens

A Merck & Co., Inc. anunciou no último dia 9 de setembro que o Conselho Consultivo de Vacinas e Respectivos Produtos Biológicos do FDAconcordou que os dados de eficácia, imunogenicidade e segurança de estudos clínicos em homens dão respaldo ao uso da vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) em meninos e homens de 9 a 26 anos de idade para a prevenção de verrugas genitais causadas pelo papilomavírus humano (HPV) dos tipos 6 e 11.

"A Merck se comprometeu a buscar o uso da vacina em homens e mulheres desde que a vacina foi descoberta há mais de uma década e estamos satisfeitos porque o Conselho Consultivo concorda que os dados dão respaldo ao uso da vacina quadrivalente contra o HPV em meninos e homens”, afirmou Peter S. Kim, Ph.D., vice-presidente executivo e presidente da Merck Research Laboratories.

A recomendação do conselho será considerada pelo FDA em sua revisão do pedido suplementar de licença de produtos biológicos que a Merck apresentou referente à vacina em dezembro de 2008.  A Merck espera uma decisão do FDA no quarto trimestre deste ano.

“A discussão de hoje com o Conselho Consultivo possibilita que a comunidade de saúde pública forneça a vacina quadrivalente contra o HPV a homens e mulheres" afirmou Anna Guiliano, Ph.D., do Centro de Câncer H. Lee Moffitt.
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) está aprovada para uso nos EUA desde junho de 2006 e atualmente é indicada para uso em meninas e mulheres jovens de 9 a 26 anos de idade para a prevenção de cânceres do colo do útero, vulvares e vaginais causados pelo HPV tipos 16 e 18; verrugas genitais causadas pelo HPV tipos 6 e 11 e lesões pré-cancerosas ou displásicas causadas pelo HPV tipos 6, 11, 16 e 18. Mais de 50 milhões de doses foram distribuídas em todo o mundo até junho de 2009, embora o número de doses administradas não seja conhecido.

Dados de estudos clínicos da vacina quadrivalente para o HPV dão respaldo à aprovação para uso em meninos e homens
Os estudos clínicos apresentados ao Conselho Consultivo avaliaram a eficácia, imunogenicidade e segurança da vacina quadrivalente contra o HV (tipos 6, 11, 16 e 18) em meninos e homens de 9 a 26 anos de idade. A eficácia da vacina em homens foi avaliada em um estudo randômico, duplo cego, controlado com placebo. Um total de 4.055 homens foi admitido e recebeu pelo menos uma dose da vacina quadrivalente contra o HV (tipos 6, 11, 16 e 18) ou placebo. Destes, 3457 eram homens heterossexuais com 16 a 23 anos de idade e 598 eram homens que tiveram relações sexuais com homens com 16 a 26 anos de idade.
A população com PPE (eficácia segundo o protocolo) foi pré-definida como população principal para a demonstração de eficácia em homens de 16 a 26 anos de idade. Conforme definido, esta população incluiu indivíduos que não estavam infectados com os tipos da vacina contra o HPV no início do estudo, nem se tornaram infectados com os tipos da vacina contra o HPV no decorrer da série de vacinação. Estes indivíduos eram soronegativos e apresentavam DNA do HPV negativo aos tipos da vacina contra o HPV no dia 1, e apresentavam DNA do HPV negativo à série de vacinação até o mês 7. Esta população também recebeu a série de três injeções dentro de um período de um ano e geralmente não se desviou do protocolo. Os casos de desfecho primário de lesões genitais externas (EGL, em inglês) foram contados a partir do mês sete.
Foram também realizadas análises na população FAS – Full Analysis Set (Conjunto Completo da Análise). A população FAS incluiu todos os participantes que receberam pelo menos uma dose da vacina ou placebo e os casos de desfecho foram contados após o dia 1, o dia após a administração da primeira dose da vacina. A principal diferença em relação à população PPE foi que a população FAS também incluiu participantes que haviam sido previamente expostos, já estavam infectados com os tipos de HPV ou se tornaram infectados antes da conclusão da série de três doses da vacina (não especifica para os tipos 6, 11, 16 e 18). 

Eficácia segundo o protocolo
Na análise PPE, a vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) foi 90,4% eficaz (IC 95%: 69,2, 98,1) em relação a EGLs relacionadas com o HPV 6, 11, 16 e 18. Dos 34 casos de EGL, 31 eram verrugas genitais. Todos os casos de verrugas genitais eram positivos para HPV 6 e/ou 11 (três casos no grupo que recebeu a vacina e 28 no grupo que recebeu placebo). A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) foi 89,3% eficaz (IC 95%: 65,5, 97,9) em relação a verrugas externas genitais relacionadas com o HPV 6/11.
Houve três casos de NIP – neoplasia intra-epitelial – peniana/perianal/do períneo relacionados com os tipos de HPV 6, 11, 16 e 18 na análise PPE e todos ocorreram no grupo que recebeu placebo. Não foram observados casos de câncer peniano/perianal/do períneo nos grupos que receberam a vacina ou placebo durante o estudo. Embora a eficácia da vacina contra a NIP relacionada com os tipos de HPV 6, 11, 16 e 18 em grau 1 ou pior tenha sido de 100% (IC 95%: <0, 100), não houve significância estatística devido ao pequeno número de casos verificados no estudo.

Conjunto completo da análise
Na análise FAS, a vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) foi 65,5% eficaz (IC 95%: 45,8, 78,6) contra as EGLs relacionadas com o HPV 6, 11, 16 e 18. Dos 104 casos de EGL, 95 eram verrugas genitais positivas para HPV 6 e/ou 11 (24 casos no grupo que recebeu a vacina e 71 no grupo que recebeu placebo). A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) foi 66,8% eficaz (IC 95%: 46,5, 80,0) contra verrugas genitais externas relacionadas com o HPV 6/11 nesta análise.

Imunogenicidade
Nos estudos de imunogenicidade, a vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) gerou respostas imunes robustas para os tipos de HPV 6, 11, 16 e 18 em meninos de 9 a 15 anos de idade e homens de 16 a 26 anos de idade.
Estudos de transferência imunológica (immunobridging) em meninos de 9 a 15 anos de idade demonstraram que os meninos apresentaram níveis aproximadamente duas a três vezes maiores de anticorpos de tipos específicos de HPV no mês sete em comparação com os homens de 16 a 26 anos de idade. Estes dados estabeleceram a não inferioridade da resposta imune de pico conforme medida no mês sete para todos os quatro tipos de HPV em meninos em comparação com homens.

Dados de segurança referentes à vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18)
Em comparação com os indivíduos que receberam placebo, uma proporção ligeiramente maior dos vacinados informou experiências adversas no local da injeção (64,1% com a vacina; 53,6% com o placebo) e experiências adversas sistêmicas (37,2% com a vacina; 32,6% com o placebo), a maioria das quais foi notificada como de intensidade leve a moderada. Os indivíduos que informaram experiências adversas sistêmicas de intensidade grave e/ou experiências adversas no local da injeção foram comparáveis entre os dois grupos (experiências adversas sistêmicas notificadas: 4,3% no grupo que recebeu a vacina versus 3,0% no grupo que recebeu placebo; experiências adversas no local da injeção notificadas: 2,0% no grupo que recebeu a vacina versus 1,0% no grupo que recebeu placebo). De maneira geral, o perfil de segurança observado em meninos e homens de 9 a 26 anos de idade nos estudos clínicos foi consistente com o perfil de segurança observado em estudos clínicos de meninas e mulheres de 9 a 26 anos de idade.

Informações importantes sobre a vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18)
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) não substitui o exame rotineiro de detecção de câncer de colo do útero, por isso as mulheres que recebem a vacina devem continuar a se submeter a estes exames.
Não foi comprovado que a vacina oferece proteção contra doenças causadas por tipos de HPV incluídos na vacina ou não, aos quais uma mulher tenha sido exposta anteriormente por meio da atividade sexual.  A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) não deve ser utilizada para o tratamento de verrugas genitais ativas; cânceres do colo do útero, vulvar e vaginal; NIC (neoplasia intra-epitelial cervical), NIV (neoplasia intra-epitelial vulvar) ou NIVa (neoplasia intra-epitelial vaginal).
Não foi comprovado que vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) oferece proteção contra doenças causadas por tipos de HPV não incluídos na vacina.  Nem todos os casos de câncer vulvar e vaginal são causados pelo HPV, sendo que a vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) protege somente contra câncer vulvar e vaginal causado por HPV tipos 16 e 18.

Informações específicas de segurança
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) é contraindicada em pessoas com hipersensibilidade, inclusive reações alérgicas graves ao levedo, ou após uma dose prévia da vacina. 
Como as pessoas vacinadas podem desenvolver síncope, algumas vezes resultando em queda com lesão, é recomendável um período de observação de 15 minutos após a administração da vacina. Foi notificada síncope, algumas vezes associada com movimentos tônico-clônicos e outras atividades semelhantes a convulsão, após a vacinação. Quando a síncope é associada com movimentos tônico-clônicos, a atividade é normalmente transitória e responde à restauração da perfusão cerebral.
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) não é recomendada para gestantes.
A reação adversa mais comum foi cefaleia. As reações adversas comuns, que foram observadas em uma frequência de pelo menos 1,0% entre as mulheres que receberam a vacina e em frequência superior às pacientes que receberam placebo foram: febre, náusea, tontura, além de dor, inchaço, eritema, prurido (coceira) e contusão no local da injeção.

Dosagem e administração da vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18)
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) é uma vacina intramuscular pronta para uso, administrada em três doses. A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) deve ser administrada em três injeções intramusculares separadas na região deltóide do braço superior ou na área anterolateral superior da coxa durante um período de seis meses, sendo a primeira dose administrada na data escolhida, a segunda dose, dois meses após a primeira dose, e a terceira dose, seis meses após a primeira dose.

Informações sobre o HPV
Há mais de 100 tipos de HPV (papilomavírus humano), dos quais cerca de 30 a 40 tipos podem infectar as áreas genitais de mulheres e homens. Os tipos de HPV 6 e 11 causam aproximadamente 90% dos casos de verrugas genitais.  Cerca de um milhão de pessoas (homens e mulheres) apresentam verrugas genitais visíveis em algum momento da vida. Atualmente não há métodos de detecção de rotina para homens.

A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) é aprovada em 112 países
A vacina quadrivalente contra o HPV (tipos 6, 11, 16 e 18) encontra-se atualmente aprovada em 112 países, e pedidos adicionais estão sob revisão das agências regulatórias em muitos outros países do mundo.

 

Fonte: www.merck.com